Caraguatatuba oferece república para jovens que saem de casas de acolhimento em serviço pioneiro no Litoral Norte

Jovens com idade entre 18 e 21 anos, provenientes de casas de acolhimento, encontram nas repúblicas municipais de Caraguatatuba um local onde são acolhidos até terem condições de enfrentar o mundo do lado de fora. O atendimento é pioneiro em todo Litoral Norte.

Em Caraguatatuba, a República Feminina foi criada em 2018 e realizou o atendimento a três jovens meninas. Em março de 2022, Caraguatatuba inaugurou a República Masculina, que já recebe um rapaz. 

A assistente social, Márcia Coelho, responsável pelos locais, explica que ao completar 18 anos de idade, muitos desses jovens que passaram a maior parte da infância e da adolescência em instituição de acolhimento por negligencia, violência ou abandono, carregam a esperança de retornarem à família biológica ou sonham em ser adotados por uma nova família.

Entretanto, segundo ela, muitas vezes isso não acontece. “Quando chega sua maioridade, ele tem que deixar a casa de acolhimento, que corresponde, em muitos casos, à sua única referência de família. Mas, no momento de sua saída, não tem para onde ir”.

Neste caso, a assistente social explica que a república é uma opção que possibilita a esse jovem o desenvolvimento de sua independência e habilidade para dar conta das questões da vida cotidiana. No local, com suporte de profissionais especializados, os jovens atendidos são orientados em suas tomadas de decisões em relação ao trabalho, moradia, gerenciamento financeiro, na sua individualidade e particularidades.

Enquanto estão na república, os jovens são auxiliados por um educador social, uma assistente social, uma psicóloga, uma coordenadora assistente social para dar prosseguimento ao trabalho iniciado na casa de acolhimento e até mesmo na conquista de sua autonomia, quando necessário.

“A República ultrapassa a simples ideia de um lugar para viver três anos pós-maioridade. É uma real necessidade para gozo pleno de cidadania para os jovens”, explica Márcia.