Renan Calheiros chama ministro da Justiça de “chefete de polícia”

Senador chamou de “juizeco” magistrado que autorizou prisão de agentes da Polícia Legislativa

O presidente do Congresso Nacional, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), fez duras críticas ao Governo Federal e à Justiça, no caso das prisões de agentes da Polícia Legislativa pela Polícia Federal na última sexta-feira (21). Em entrevista coletiva nesta segunda-feira (24), Renan chegou a dizer que o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, se comporta “no máximo”, como um “chefete de polícia”.

“O ministro da Justiça não tem se portado como ministro de Estado. No máximo, tem se portado como um chefete de polícia”, afirmou o presidente do Congresso.

Irritado com vazamentos que teriam vindo do Planalto de que teria “pedido a cabeça de Moraes”, Renan Calheiros disse que o ministro da Justiça comporta-se “falando mais do que devia, dando bom dia a cavalo”.

Renan questionou a ação do juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara da Justiça Federal, no Distrito Federal, que ordenou também a suspensão das atividades funcionais dos acusados. O senador disse que questionará no Supremo Tribunal Federal “o limite entre os Poderes”. Para ele, somente o STF poderia autorizar uma operação da Polícia Federal no Senado, não um “juizeco de primeira instância”. Renan disse que um “juizeco” de primeira instância não pode autorizar a ação na Casa.

“Um juizeco de primeira instância não pode, a qualquer precipitação, autorizar uma ação em outro Poder”, disse Renan. “Estou repelindo essa invasão”. Ele rebateu críticas ao alegado poder da Polícia Legislativa por parte dos apoiadores da ação da PF e destacou que “a Polícia do Senado não é invenção de ninguém, como tentam aparentar. É constitucional. De 2013 a 2016, foram 17 varreduras em residências de senadores, a pedido. Fazer varredura para detectar grampos ilegais, a pedido dos senadores, é rotina”, argumentou.