Márcio França se consolida como candidato e gera “esvaziamento” do PSDB

A renúncia do governador Geraldo Alckmin no dia 6 de abril para disputar a Presidência da República será acompanhada pela saída de tucanos históricos que se alinharam com seu sucessor no governo, Márcio França (PSB).

Quadros importantes do partido em São Paulo, como o líder do governo na Assembleia Legislativa, Barros Munhoz, Roberto Engler e  João Caramez deixaram a sigla em represália à candidatura do prefeito João Doria ao governo estadual. Doria será o nome dos tucanos para a disputa contra o vice-governador Márcio França, do PSB, novo partido de Munhoz.

A cúpula do PSDB teme também uma debandada na base e ameaça expulsar prefeitos e lideranças locais que apoiarem o atual vice em vez de subir no palanque do prefeito João Doria, pré-candidato tucano.

Em tom de desespero e visivelmente irritado, o deputado estadual Pedro Tobias, presidente do PSDB-SP, afirmou “Os prefeitos que apoiarem candidatos de outros partidos enfrentarão um processo de expulsão”.

A coligação de França para a disputar as eleições já contaria com 13 partidos, segundo o vice-governador: PSB, PV, PPS, PR, PHS, PSC, PROS, Avante, Solidariedade, Podemos, PPL, PRP e PMB.

 

Deputado Estadual Roberto Engler

O deputado estadual Roberto Engler vai protocolar sua carta de desfiliação do PSDB nesta segunda-feira (2). Atendendo convite do vice-governador Márcio França, o parlamentar deve se filiar ao PSB na próxima quarta-feira (4). A decisão foi sacramentada em reunião entre Márcio França e Roberto Engler, realizada na manhã de hoje (2).

“Após três décadas de dedicação ao PSDB, hoje, enxergo, pela primeira vez ao longo de tantos anos, que o projeto mais adequado para o desenvolvimento de nossa cidade, da nossa região e do nosso estado não está mais no partido, mas, sim, na figura de Márcio França e no PSB. É meu dever agir em conformidade com essa convicção, até mesmo para honrar a confiança em mim depositada por mais de 120 mil eleitores paulistas”, disse o deputado estadual Roberto Engler.

 

Deputado Estadual Barros Munhoz

O deputado estadual José Antônio Barros Munhoz anunciou sua saída do PSDB, partido ao qual esteve filiado por 15 anos, para se filiar ao PSB. Em vídeo, Munhoz disse sair do partido tucano em apoio à candidatura vice-governador Márcio França, que na próxima semana assume o governo de São Paulo e que deve ser candidato à sucessão do governador Geraldo Alckmin (PSDB), e por não concordar com a postulação do prefeito de São Paulo, João Doria, ao governo estadual.

“Parto de coração aberto, sem mágoa e só com gratidão ao PSDB, mas não posso concordar com a candidatura de João Dória, que se comprometeu a ficar na Prefeitura os quatro anos. Ele não tem o direito de descumprir este compromisso. Parto para o PSB, meu novo partido, para apoiar Mário França”, afirmou Munhoz.

Munhoz, que foi eleito deputado estadual em 2006, 2010 e 2014, também foi presidente da Assembleia Legislativa nos governos José Serra e Geraldo Alckmin. Ele deverá se candidatar à reeleição no pleito de outubro.

 

Deputado Estadual João Caramez

Depois de quase 3 décadas no PSDB, o deputado estadual João Caramez desembarca do ninho tucano e segue para o PSB do vice-governador Márcio França. O anúncio foi feito na tarde de ontem, na Kolping Cristo Rei, em Itapevi, seu reduto eleitoral. Fiel escudeiro do governador Geraldo Alckmin (PSDB), Caramez vai engrossar as fileiras da sigla do vice-governador França, com a missão estratégica de apoiar o pessebista e montar palanque para o tucano nos eventos em prol da corrida presidencial.

João Caramez foi prefeito de Itapevi de 1993 a 1996 e, em 1998, foi eleito pela primeira vez deputado estadual, pelo PSDB. Em 2000, a convite do governador Mário Covas, assumiu a Chefia da Casa Civil do Governo do Estado, onde permaneceu até janeiro de 2002. Em seu 5º mandato, Caramez assumiu a cadeira em julho de 2016. Por ser primeiro suplente da coligação PSDB/DEM/PPS/PRB nas eleições 2014, ele ocupou a vaga de Mauro Bragato (PSDB).

Ao anunciar a mudança de sigla, Caramez puxa a fila na dança das cadeiras na região, já que os interessados em disputar algum cargo nas eleições presidenciais de 2018 têm até o próximo sábado, 7 de abril para se filiar a algum partido ou trocar de legenda, segundo prazo estabelecido pela legislação eleitoral.