Intervenção Federal no Rio de Janeiro é aprovada por três em cada quatro brasileiros, revela Ipsos

56% da população no país acredita que medida vai resolver o problema da segurança pública no estado onde ação ocorre, índice é maior no centro-oeste e menor no sul

A Intervenção Federal no estado do Rio de Janeiro, determinada em meados de fevereiro, tem apoio da maioria da população brasileira (75%), segundo pesquisa conduzida pela Ipsos na primeira quinzena do mês passado. A aprovação é maior ainda nas regiões norte e nordeste (ambas com 83%) e centro-oeste (81%). Apenas dois em cada dez entrevistados no Brasil todo (18%) se posicionou contra a ação. No sul, esse número sobe para 33%.

“A violência é tida como um dos cinco maiores problemas enfrentados pelos brasileiros, segundo nosso monitoramento mensal de opinião pública, o Pulso Brasil. Além disso, houve muita exposição de cenas de criminalidade e violência durante o Carnaval, um pouco antes da intervenção ser anunciada e esses dois fatores contribuem para a alta aprovação da medida neste primeiro momento”, comenta Danilo Cersosimo, diretor da Ipsos.

Para 56% dos entrevistados, a intervenção federal tende a resolver o problema de segurança pública do Rio de Janeiro. Os mais otimistas são os moradores do centro-oeste (78%) e nordeste (74%). Só na região sul, há uma opinião divergente, a maioria (55%) acredita que a ação tende a não resolver o problema.

Seis em cada dez entrevistados (64%) declaram que são a favor do Governo Federal intervir na segurança pública do seu estado, se necessário. O índice é mais alto no norte (80%), nordeste (72%) e centro-oeste (71%). Novamente, o sul aparece como a região menos favorável a esse tipo de medida, embora dividido (47% apoiaria e 46% não apoiaria).

Quase metade dos brasileiros (46%) não ouviu falar sobre a criação do Ministério da Segurança Pública, criado no final de fevereiro para coordenar e promover a integração da segurança pública em todo país, em cooperação com os estados e Distrito Federal. Os que têm conhecimento sobre o novo órgão são 53% da população.

O estudo também perguntou quem são os que mais ganham com a intervenção. “O cidadão do Rio” ficou em primeiro lugar, com 33%, seguido por “o presidente Michel Temer”, com 18%, e “os mais pobres”, com 15%. Quando a questão é quem mais perde, “o crime organizado” lidera com 53%. “Os mais pobres” aparecem em segundo lugar com13%.

A pesquisa entrevistou presencialmente 1.200 pessoas em 72 cidades do Brasil de 1º a 13 de março e integra o estudo Pulso Brasil realizado mensalmente pela Ipsos. A margem de erro é de três pontos percentuais.

Sobre a Ipsos

A Ipsos é uma empresa independente global na área de pesquisa de mercado presente em 88 países. A companhia tem mais de 5 mil clientes e ocupa a terceira posição na indústria de pesquisa. Maior empresa de pesquisa eleitoral do mundo, a Ipsos atua ainda nas áreas de publicidade, fidelização de clientes, marketing, mídia, opinião pública e coleta de dados. Os pesquisadores da Ipsos avaliam o potencial do mercado e interpretam as tendências. Desenvolvem e constroem marcas, ajudam os clientes a construírem relacionamento de longo prazo com seus parceiros, testam publicidade e analisam audiência, medem a opinião pública ao redor do mundo. Para mais informações, acesse: https://www.ipsos.com/pt-br, www.ipsos.com, https://youtu.be/QpajPPwN4oE, https://youtu.be/EWda5jAElZ0https://youtu.be/2KgINZxhTAU.